sábado, 14 de março de 2009



Um menino perguntou para seu pai:

- Papai quanto é o seu salário?

O pai respondeu severamente: Meu filho isso não é da sua conta, nem mesmo a sua mãe sabe o quanto eu ganho.

O menino insistiu:

- Papai me diga por favor, eu preciso saber.

O pai respondeu um pouco mais passivo:

- Áh, R$3,00 reais por hora.

O menino então disse:

- Papai o senhor pode me dar R$1,00?

O pai disse:

- Meu filho vai já dormir e não me amola.

O menino foi deitar-se meio sonolento e com os olhos cheios d'água.

Mais tarde o pai cheio de remorso foi até o quarto e falou baixinho no ouvido do menino:

- Meu filho você ainda está acordado? Olha, está aqui o R$1,00 que você me pediu.

O menino disse radiante:

- Obrigado papai, agora eu já tenho R$3,00 reais pois eu já tinha R$2,00 reais guardado na minha caixinha que eu estava juntando.

E o menino tornou a dizer?

- Papai você me vende uma hora sua?

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009


Pegadas na Areia

Uma noite eu tive um sonho... Sonhei que estava andando na praia com o Senhor, e através do céu,passavam cenas da minha vida. Para cada cena que sepassava, percebi que eram deixados dois pares depegadas na areia, um era meu e outro era do Senhor.Quando a ultima cena da minha vida passou diante de nós, olhei para traz, para as pegadas na areia, e notei que muitas vezes no caminho da vida havia apenas umpar de pegadas na areia. Notei também que isto aconteceu nos momentos mais difíceis e angustiosos do meu viver. Isso aborreceu-me, então perguntei aoSenhor:-Senhor, Tu me disseste que uma vez que resolvi teseguir, Tu andarias sempre comigo, em todo o meu caminho, mas notei que durante as maiores tribulações do meu viver, havia apenas um par de pegadas na areia. Não compreendo porque nas horasem que necessitava de Ti, tu me deixastes...O Senhor respondeu:-Meu precioso filho, Eu Te Amo e jamais te deixaria nas horas de tua prova e de teu sofrimento. Quando vistes na areia apenas um par de pegadas, foi exatamente aí, que Eu te carreguei nos braços.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Perseverança..........

Não digas que o trabalho é desperdiçado,
Nem que o esforço falha ou parece, no fundo;
Não digas que aquele ao dever curvado
É um entre os tantos sonhos do mundo.
Pois não é em vão que em golpes seguidos,
Com pressa medida, em fragor crescente,
O mar actua nos rochedos batidos
E invade a praia, ruidosamente.
É certo que enfrentam suas investidas,
Do seu bater forte parecem troçar,
Esmagam com força as vagas erguidas
E em espuma fazem as ondas rasgar.
Mas ele bate e bate com força
Em dias, semanas, em meses e anos,
Até que apareça mossa sobre mossa
Que mostre seus gastos, pacientes ganhos.
E os anos passam, as gerações vão,
E menores se quedam as rochas cavadas;
Mas ele, com lenta e firme precisão,
Baterá na terra suas altas vagas.
Certo como o sol e despercebido
Como duma árvore é o seu crescer,
Trabalha, trabalha sem ser iludido
P'la tenaz imagem que se pode ver.
E quando o seu fim de todo obtém,
Em sonoro embate, p'ra fender, se lança,
Seu poder imenso ainda mantém
E, inda mais além, nas águas avança.


Alexander Search, in "Poesia"

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

A vida não passa de uma viagem de trem...


A vida não passa de uma viagem de trem, cheia de embarques e desembarques, surpresas agradáveis e alguns acidentes.

Quando nascemos entramos nesse trem e nos deparamos com algumas pessoas que virão a ser essenciais para nós. É o embarque dos nossos irmãos, nossos amores, nossos filhos. Há pessoas que tomam esse trem à passeio. Outros carregam só tristezas.

Outros circularão prontos a ajudarem a quem precisa. Muitos descem e deixam saudades eternas.

Outros, quando desocupam o assento, ninguém sequer percebe. Curioso é constatar que alguns passageiros que nos são tão caros, se acomodam em vagões diferentes do nosso. Portanto, somos obrigados a fazer o trajeto separados deles, o que não impede, claro, que cheguemos até o vagão deles.

Mas, muitas vezes chegamos mas não podemos sentar porque o lugar ao lado deles já está ocupado. Não importa! É assim a viagem, cheia de atropelos, sonhos, fantasias, despedidas porém jamais, retornos. Façamos essa viagem, então, da melhor forma possível. Tentando nos relacionar bem com todos os passageiros, procurando em cada um deles, o que tiverem de melhor, lembrando que, em nossas fraquezas, eles poderão nos ajudar.

O grande mistério é que nunca saberemos em qual estação vamos descer. Por isso temos que fazer com que nossa viagem nesse trem seja tranqüila e feliz e com que cada dia valha a pena.

Liberdade.....


Não alcançamos a liberdade buscando a liberdade, mas sim a verdade.

A liberdade não é um fim, mas uma consequência.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

A Verdade

A verdade é semelhante a uma adolescente vibrante, flexível, em radiosa sombra. Quando fala é a noite translúcida no mar e a esfera germinal e os anéis da água.

Um apelo suave obstinado se adivinha.

Ela dorme tão perfeitamente despertada que em si a verdade é o vazio. Ela aspira à cegueira, ao eclipse, à travessia dos espelhos até ao último astro.

Ela sabe que o muro está em si. Ela é a sede e o sopro, a falha e a sombra fascinante.

Ela funda uma arquitectura volante em suspensas superfícies ondulantes. Ela é a que solicita e separa, delimita e dissemina as sílabas solidárias.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

...PAZ...!!!


A paz é como aquele suspiro, leve e inocente, que a gente dá durante o sono. Tem a leveza de uma folha de outono. E a delicadeza de uma bolha de sabão. É a gostosa sensação de quem termina a lição. Ou encontra um bichinho perdido. Ou visita um amigo querido.


Paz é andar descalço, onde tudo é verdadeiro e nada é falso. Onde tem paz, não tem criança pedindo esmola na rua. Não tem poluição escondendo a lua. Paz é futebol sem briga. Pic-nic sem formiga. Cidade sem ladrão. Não ter medo de injeção. Vampiro sem dente.


O tristonho, contente. Paz é colo de mãe e abraço de pai. Outro dia, quietinho num canto, olha só o que eu pensei: a paz é tão boa, mas tão boa, que devia ser lei.